O peso da água...e a leveza da sereia da nova HQ da mangaká Gisela Pizzato

O peso da água...e a leveza da sereia da nova HQ da mangaká Gisela Pizzato Já se vão anos desde que Holy Avenger provou que brasileiros conseguem fazer bons mangás, mas, se alguém ainda quiser alguma prova, vale dar uma lida em The Weight of Water, que apesar do nome em inglês é brasileiríssima e tem como autora (roteirista e desenhista) a professora de mangá e historiadora Gisela Pizzato.


Professora de desenho desde 1998 e apaixonada pelo quadrinho japonês desde 2000, Gisela já é um talento reconhecido internacionalmente na área: tem mangás publicados na Itália, trabalhos em exposição em países como Grécia e Alemanha e é criadora da gatinha Kelly (estrela de tiras de mangá ou YanKoma, como queiram). Além disso tudo, foi premiada em 2013 com a Graphic Novel Gráinne Mhaol, que lançou na Irlanda junto com o também brasileiro Bruno Büll.

Com edição caprichada do Studio Magenta (64 páginas mais capa, R$ 20,00), The Weight of Water traz uma história principal estreada por uma sereia solitária, uma bruxa decidida e um capitão de fragata sem escrúpulos. Com narração bem feita e arte que dispensa comentários, Gisela envolve o leitor em uma história misteriosa e um tanto quanto densa. Depois, para relaxar um pouco, o leitor encontra uma HQ extra, mais leve e bem humorada, com a mesma bruxa Yulia como protagonista – esta segunda apenas com roteiro da mangaká e desenhos de Qurho.


E tem mais extras: finalizadas as histórias, como já virou tradição nos quadrinhos mais caprichados, uma galeria de artistas convidados dá interpretação - e traço – aos personagens principais. O MundoHQ conversou com Gisela sobre a obra e você confere abaixo os principais trechos da entrevista. Em tempo, se o quadrinho é em estilo japonês e desenhado por uma brasileira, por que o nome em inglês em vez de um bom e velho “O Peso da Água”?


Quem responde é o editor André Seo: “Era o título original, pois a idéia era ser publicado nos EUA e na Italia. Não deu certo, mas optamos por manter o mesmo título, apesar da referencia à tradução que fazemos no material de divulgação. Além disso, normamente os títulos de mangás são ou em japonês ou em inglês, então resolvemos seguir essa tradição também.”
Por enquanto The Weight of Water não está sendo comercializado em livrarias e bancas, ele pode ser adquirido via facebook (https://www.facebook.com/studiomagenta.art). Confira a entrevista:


MundoHQ - Sua sereia foge um pouco do tradicional: cauda mais longilínea e maleável (lembra mais uma serpente marinha em certos quadros que um peixe), pintinhas no rosto e craquinhas do mar nas mãos. Além disso, no desenho colorido ela é de um laranja mais forte e as mãos e orelhas são nesta cor também. De onde veio a inspiração pra este visual? Como você o compôs?

Gisela - Adorei a pergunta!!!! A Seele e toda a história nasceram de uma .... orquídea! Sim, é verdade! Eu coleciono orquídeas e tenho uma que é um híbrido de nome Blc Meiner Seele Schatz , que significa "tesouro da minha alma". Seele é alma em alemão e a flor desta orquídea é igual à minha Seele, laranja e cheia de pintinhas pretas. Então, a personagem nasceu antes da história. O tipo de cauda que ela tem é bem diferentona mesmo, eu adoro peixes e quanto mais exótico melhor, então dei uma misturada e acabou saindo assim, meio comprida, que ficava mais legal, sei lá. Foi saindo e ficou bom.


De onde veio a ideia para o roteiro? Ele obviamente parece ser o meio de uma história - o que você reforça com a HQ extra estrelada pela bruxa do mar. Outras histórias envolvendo estes personagens virão? Estamos vendo um trecho de uma saga?
O roteiro apareceu depois da sereia. Ela precisava de uma história e eu detesto quando me perguntam de onde saiu o roteiro, porque na maioria das vezes eu não sei responder. A maioria das histórias que eu escrevo vai saindo assim, de qualquer lugar, de uma frase que alguém fala, de alguma música que eu ouvi, sei lá, vai saindo, não acho que eu tenho muito controle...rs. Mas esta história tem uma história (hauhauhauahuaha). Em 2012 um site italiano de quadrinhos me convidou pra escrever uma história curta, de 34 páginas. Aceitei o projeto e nasceu essa história aí, "O Peso da Água", com título inspirado em um filme homônimo com o Sean Penn, mas que não tem nada ver uma coisa com a outra. Só uma coisinha... No filme eles leêm uma poesia do Dylan Thomas, que na época me deixou super encanada e eu achei que tinha que fazer algo com ela. Especialmente uma frase do poema: “And Death shall have no dominium”. Então acabei usando isso veladamente na história.


Mas, então, no fim de 2012 eu estava com a história pronta, escaneada, só faltava botar as falas e retículas... Aí meu filho Murilo nasceu. Aí você deve saber: não fiz mais nada. O projeto acabou engavetado e lá ficou. No primeiro semestre deste ano, a Ânima (escola de arte) resolveu criar um estudio pra abarcar todos os talentos que a gente tem lá, professores e alunos, especialmente. Aí eles resolveram usar "O Peso da Água" pra lançar o Studio Magenta, já que faltava pouca coisa pra concluir a história (ledo engano, mas vá lá). E foi assim. O spin off que tem de extra é da Bruxa, que sem querer acabou se tornando o personagem mais importante (e preferido meu) na história. 


Sim, a história é uma parte de uma coisa maior, mas são tantas pontas, tantas outras histórias que não sei se isso algum dia será contado. Não tenho nada programado pra isso, quando acabo uma história ela acaba mesmo pra mim, não tenho interesse em revisitar. Mas as pessoas que leram gostaram bastante e o retorno de críticas foi muito bom, todo mundo querendo mais desse universo que eu realmente não sei o que fazer. Talvez tenha alguma coisa, mas mais pra frente. Preciso criar coragem e achar uma brecha na minha cabeça que agora está trabalhando em uma outra história em um outro universo muito diferente do da Seele. 


Impossível ver um mangá nacional sem lembrar de Holy Avenger. Vc teve alguma influência daquela obra?

Holy Avenger! Um clássico!!!! Claro que li, tenho TUDO que saiu, sou mega fã da Érica (Awano, desenhista de HA), acho ela top top top super! Talvez a influência esteja em algum lugar na minha formação como mangaka, mas não uma influência direta...


Como surgiram os nomes dos três personagens? Aliás, em Holy o pirata chama-se James, talvez por isso tenhamos pensado em HA... hehehehe

Há, não lembrava desse James de HA.... Mas não foi de lá não. Tenho uma coisa com nomes, adoro adoro! A Seele já contei. O Capitão James Thornfield é porque adoro James (o nosso Tiago, do santo, mesmo) e é uma homenagem a um cara que eu adoro que é o vocalista do Metallica. James Hetfield. Só troquei o Het por Thorn (espinho) e o cara virou o vilão.


A bruxa tinha que ser russa, porque eu adoro os nomes russos e ela tem uma cara meio de cigana e achei que tinha tudo a ver: Yulia é o nosso Julia (que eu adoro também) e o Mishayeva é porque soa bonito (rs). Nesse ponto sou muito como os japoneses, que escolhem nomes por conta do significado, mas também por conta da sonoridade.


(publicado originalmente em 9 de outubro de 2016)

Entre em Contato com o Mundo HQ

Seu endereço de email não será divulgado, porém, deverá ser um e-mail válido para obter a resposta. Campos obrigatórios são marcados*