quadrindex: Holy Avenger

quadrindex: Holy Avenger Criação: Em 1998, na revista Dragão Brasil (Editora Trama), o trio Marcelo Cassaro, Rogério Saladino e JM Trevisan publicou uma aventura para o jogo de RPG (Role Playing Game ou jogo de interpretação) Tormenta, com o título de Holy Avenger. A aventura - ou campanha, como são chamadas pelos RPGistas os desafios criados para uma partida - foi publicada em três números da Dragão (44 a 46) e fez enorme sucesso entre os leitores.


Cassaro, editor da Trama que já havia trabalhado nos estúdios de Maurício de Sousa e na Editora Abril Jovem, viu no sucesso da aventura a possibilidade de transformá-la em algo mais. A Trama já vinha alcançando sucesso com quadrinhos nacionais argumentados por ele – como Godless, UFO Team e o excelente Lua dos Dragões- e resolveu apostar na idéia. Assim, em 1999 chegou às bancas o primeiro número da revista em quadrinhos Holy Avenger, com argumento de Cassaro e desenhos em estilo mangá de Érica Awano.

Logo de cara, a revista conquistou um público fiel, composto não só por RPGistas como também por fãs de mangá e de fantasia e ficção científica. As histórias se destacaram tanto pelos bons argumentos quanto pelos excelentes desenhos. Érica Awano, por sinal, faz brincadeiras com mangás e animes famosos em algumas aventuras, por meio de “citações visuais” a eles.

Cassaro e Érica também adotaram no gibi (foram 40 edições mensais, mais duas especiais contando o que ocorreu cinco anos depois do final), com sucesso, pelo menos duas características típicas de mangá: o traço infantil que transforma os personagens em crianças quanto há uma cena cômica, e uma “sensualidade light” que mostra personagens com pouca roupa (em especial a “elfa peituda” Niele) sem, no entanto, mostrar detalhes como os bicos dos seios ou qualquer tipo de genitália, obtendo um resultado mais cômico que sexy. 


No final dos anos 90 alguns leitores se queixaram de a revista não chegar a todas as bancas com periodicidade regular e o fato de o gibi ter poucas páginas coloridas e o restante em preto e branco - segundo os editores, porém, este último fato era uma tentativa de se aproximar dos mangás publicados no Japão, que são em preto e branco e de vez em quando trazem algumas páginas em cor. Posteriormente, porém, a editora Jambô uniu as revistas em uma série de livros, sob o título “Holy Avenger: edição definitiva”, que ainda pode ser encontrado em algumas livrarias ou à venda na Internet.

A mistura do argumento de fantasia de RPG, traço japonês e bom argumento brasileiro emplacou tanto que chegaram a ser planejadas animações que seriam bancadas via Lei Rouanet, mas o projeto não foi pra frente. Um belo livro com “a arte de Holy Avenger” também foi lançado, mas com tiragem pequena, virando item de colecionador.


Em tempo: uma das perguntas mais freqüentes sobre Holy Avenger é o por quê do nome em inglês. Holy Avenger, ou “vingadora sagrada”, é o nome de uma espada usada pelos paladinos, os guerreiros santos do jogo de RPG Dungeons and Dragons - o mais famoso e primeiro dos jogos de interpretação. Outra ligação forte do quadrinho Holy Avenger com o RPG é o fato de a revista original ter trazido fichas com as características de jogo com os personagens que aparecem no gibi. Desta forma, o leitor poderia usar os personagens para jogar com eles em suas campanhas de Tormenta.

Enredo


A história começa com a druida Lisandra e seu “primo”, um lobo, visitando pela primeira vez uma cidade, a metrópole de Valkaria. Criada na ilha de Galrasia junto a criaturas selvagens - entre as quais um guerreiro de uma raça troglodita chamado Tork - a moça está na cidade para procurar um renomado ladrão, chamado Galtran.
Antes que possa procurá-lo, no entanto, ela é detida pela guarda por andar com uma fera sekvagem e acaba revelando que procura o ladrão para realizar um roubo. Lisandra é presa e seu “primo”acaba sendo morto por um dos guardas ao tentar defendê-la. Na cadeia, ela é “salva”(mais ou menos) por um ladrão que se identifica como Galtran, mas é na verdade Sandro Galtran, filho do famoso ladrão e um iniciante atrapalhadíssimo na “arte”do furto.

Ainda assim, Sandro a livra da cela e ela revela ao rapaz que está atrás de uma pedra, um rubi da virtude. Lisandra está atrás de rubis como este porque, noite após noite, sonha com o guerreiro Paladino, o maior herói de Arton, cujo corpo repousa na ilha de Galrasi. A druida acredita que ama o herói e quer conseguir as pedras (que se encaixam na armadura dele) para ressuscitá-lo. 


Sandro e Lisandra, então, invadem o Palácio de Naxus Dilkar e derrotam dragão que guardava o Rubi da Virtude. Agradecida, Lisandra retorna a Galrasia com a gema. Enquanto isso, Sandro fica sabendo da existência de outra pedra e invade o quarto de sua possuidora: Niele, a mais poderosa e exuberante (entenda-se siliconada...) maga elfa do Reinado.

Depois de receber relâmpagos bolas de fogo, ser perseguido por toda a cidade, transformado em hamster gigante, ser morto e depois devolvido à vida, Sandro finalmente convence Niele a ceder sua gema. Infelizmente, ela insiste em acompanhar o ladrão em sua viagem até a ilha de Galrasia e demais aventuras em busca de outros rubis. 


Já Lisandra reencontra seu “pai adotivo”, Tork, e o convence a partir com ela também em busca de rubis. A partir daí, os quatro se envolvem em diversas aventuras, encontrando outros heróis, vilões e deuses diversos (e se separando e se encontrando uns com os outros), sempre em busca dos rubis.

A narrativa é muito inteligente e tem um final que, embora traga alguns fatos previsíveis, é bastante diferente em relação aos tradicionais. Clique aqui para ler entrevista exclusiva sobre HA concedida pelo autor Marcelo Cassaro em 2003.

Principais Personagens


Lisandra: jovem druida, uma sacerdotisa de Allihanna, a deusa da natureza. Criada por animais na ilha pré-histórica de Galrasia, ela não tem qualquer pista sobre seus pais verdadeiros - exceto pelo bracelete de ouro que traz no pulso esquerdo. Lisandra pode falar com os animais e tem poderes mágicos de cura. Ela também pode invocar uma armadura e armas mágicas de madeira e espinhos, tão mortais quanto qualquer lâmina metálica,um poder sobre o qual não tem grande controle e que se provará mais do que aparenta.


Sandro: Filho do grande Galtran, um dos mais famosos ladrões aventureiros do Reinado, Sandro quer seguir a mesma carreira - mas o pai, arrependido da vida de crimes, recusou-se a ensinar o “ofício” para o filho. Como resultado, Sandro é um ladrão totalmente incompetente, mas aproveita a fama trazida pelo sobrenome para conseguir missões. Sandro usa como arma o kailash, uma combinação mágica de funda e boleadeira.


Niele: Linda, exuberante, (quase) sempre extremamente feliz e um tanto desmiolada, Niele é a maga elfa mais famosa e poderosa em todo o Reinado. Com seu cajado ela pode lançar TODAS as magias existentes (e até algumas não existentes!) quando e quantas vezes desejar - só que Niele não controla bem esse poder e costuma cometer (muitos) erros. Niele veste (?) apenas um conjunto de tiras de couro unidas por anéis de aço e gosta muito de cantar. Ela exala alegria e entusiasmo, mas parece esconder um passado sombrio. Resolveu ajudar “Sandrinho” - que acha um gatinho - em sua missão de reunir os Rubis, mas já percebeu que o jovem ladrão está amando Lisandra e seu maior desejo é que os dois fiquem juntos.


Tork - Membro da raça guerreira dos trogloditas - um povo maligno de homens-lagarto subterrâneos -, Tork foi expulso da tribo ainda filhote por ter nascido anão. Depois de vagar pelo mundo e passar algum tempo em Galrasia com Lisandra (a quem ele chama de “Filhota”), ele agora tenta viver entre os humanos como guerreiro mercenário. Tork lembra Wolverine em vários aspectos: é rabugento, brigão, grande apreciador de cerveja (e seu mau cheiro e maus modos tornam difícil o convívio social com humanos). Ele luta com um machado mágico feito com a garra decepada de Deenar, um elfo-do-mar e seu antigo inimigo. Na falta dele, também podem contar com as temíveis garras e presas. Às vezes, quando irritado, também pode exalar propositadamente um gás fedorento que enfraquece os inimigos - mas que funciona apenas contra humanos e semi-humanos (elfos, meio-elfos, anões...).


Completam o elenco outros personagens como o já citado guerreiro Paladino, a centaura Odara, o vilão mestre Arsenal, o sumo-sacerdote Nekapeth,o capitão James K. e sua irmã Anne, a cozinheira Petra, o bardo Luigi Sortudo, o elfo-do-mar Deenar, o necromante Vladislav, a gladiadora Loriane e vários outros.

Curiosidade: versão apimentada 

 Se na revista os autores Marcelo Cassaro e Érica Awano levam a sensualidade de alguns personagens da maneira light e bem humorada dos mangás cômicos, na Internet não demoraram a surgir versões pra lá de apimentadas, com cenas picantes e bem explícitas. Uma das mais conhecidas já diz a que veio logo no trocadilho do título, de gosto bem duvidoso: “Rola Avenger”...


(inserido originalmente no MundoHQ em 2000)

Entre em Contato com o Mundo HQ

Seu endereço de email não será divulgado, porém, deverá ser um e-mail válido para obter a resposta. Campos obrigatórios são marcados*